Como evitar a perda de memória

Talvez ainda demore muito para que você enfrente um problema bastante comum, principalmente entre os idosos. Sim, estamos falando da perda de memória. Quem sabe, fazendo uso de uma medida simples, isso nem ocorra. Não é uma boa notícia?
De acordo com o neurologista Antonio Carlos Montanaro, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, alguns medicamentos ajudam na circulação cerebral e melhoram o metabolismo neural, mas não há nenhum remédio que mantenha o cérebro em atividade.
“A melhor forma de preservação da memória é manter o cérebro ocupado”, afirma. Ou seja, uma estratégia que está ao alcance de todos. O médico recomenda jogos e leitura. “No caso de pessoas mais velhas, podemos ajudá-las com formas lúdicas de passatempo, como palavras cruzadas ou dança”, diz.
A perda de memória está relacionada ao atrofiamento do cérebro que vem com a idade. “Isso  causa a demência senil, cujo sintoma mais nítido é a perda de memória de fatos que acabaram de acontecer”, detalha.
Outras formas de perder a memória, desta vez de forma súbita, ocorrem por intoxicação provocada por drogas e álcool, tumores cerebrais, efeitos colaterais de cirurgias, tratamentos para câncer com radioterapia ou quimioterapia e até mesmo alguns medicamentos.
Atenção: é fundamental procurar um especialista para uma avaliação médica após acidentes com pancadas na cabeça, principalmente se for notado esquecimento de eventos recentes.
Fonte: Beneficência Portuguesa/ Divulgação

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.