Cinco hábitos que podem estar estressando você silenciosamente. Veja como evitá-los

O estresse se tornou um efeito colateral relacionado à vida nas grandes cidades e é tratado como algo natural. Mas será que a agitação, o trânsito e a falta de tempo são realmente os grandes vilões? Ou seriam os nossos hábitos os maiores responsáveis por uma vida estressante?
A Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional compilou cinco hábitos que podem estar contribuindo para esse cenário, sem que a gente se dê conta. Confira:

1 – Comparar-se muito com os outros: quando isso acontece com frequência, a sensação é de estarmos sempre em falta, deixando a desejar. É um sentimento negativo de incompetência. Que tal reverter essa situação? Compare-se a você mesmo apenas. Pense em como evoluiu em relação ao ano passado, mesmo que em pequenas coisas, como ter conquistado uma alimentação melhor, ter adotado um animal de estimação ou ter realizado uma viagem com a qual sonhava.

2 – Ter um estilo de vida negativo: se você sempre adia os planos de começar a se exercitar, largar o fumo, diminuir o consumo de açúcar e sal ou dormir melhor, está constantemente contribuindo para uma vida cotidianamente estressante. Mude já o que precisa ser mudado, sem inventar desculpas, e veja como um estilo de vida saudável fará você se sentir melhor.

3 – Tolerar pessoas desagradáveis: liberte-se de relacionamentos tóxicos, ou seja, aqueles que só nos desgastam e não trazem bons momentos. Concentre-se em passar mais tempo com as pessoas que fazem você se sentir bem.

4 – Não combater a desonestidade: quando somos desonestos, ficamos estressados por termos de lembrar constantemente das mentiras que contamos e assim mantermos a versão desleal dos fatos, convivendo sempre com o medo de sermos pegos. Em segundo lugar, perdemos a confiança nos outros. Esse ciclo é danoso para nós e para as nossas relações. Ser honesto é mais fácil e mais prazeroso.

5 – Abraçar a negatividade: sabe aquelas pessoas que reclamam de tudo? Do salario, do chefe, dos vizinhos, da família, do trânsito… Passe longe. Mas lembre-se: não adianta apenas se livrar desse tipo de amizade, é preciso você mesmo fazer uma autocrítica e ver se não está se tornando uma pessoa negativa demais.

Às vezes, nós somos assim e não percebemos. Resultado: vivemos estressados. Tente encontrar uma maneira de mudar aquilo que o tira do sério e viva mais feliz.

Fonte: Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional

RELACIONADOS