Vamos falar sobre herpes labial

Mas o que é o herpes labial?
É uma infecção viral recorrente e contagiosa nos lábios, na boca ou nas gengivas, tendo como causa o vírus do herpes simples.

A infecção pelo herpes simples é recorrente. Isto acontece porque o vírus “se esconde” dentro das células do sistema nervoso impedindo que as defesas do organismo consigam eliminá-los completamente.

E como se pega herpes?
O vírus é comumente encontrado nas feridas, na saliva e em secreções do corpo, sendo que sua transmissão se dá por meio de contato íntimo com a área infectada. Alguns objetos, tais como copos e talheres também podem ser transmissores, no entanto é menos comum, já que o vírus sobrevive poucas horas fora de um organismo vivo. O intervalo de tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é em média de 4 dias.

Fatores que podem desencadear o herpes:
Estresse, exposição solar excessiva, estado imunológico vulnerável, menstruação e trauma físico.

Características:
Aparecimento de pequenas bolhas agrupadas com inflamação associada, de coloração avermelhada, podendo vir acompanhadas de mal estar, linfonodos (gânglios) aumentados, perda do apetite e febre. Dor, formigamento ou prurido (coceira) local costumam surgir algumas horas antes das vesículas (pequenas bolhas).

Nas crianças é comum a presença de inflamação da gengiva, já no adulto caracteriza-se pelo aparecimento de uma faringite forte, com pus e ulceração nas amígdalas.

Duração:
A crise de herpes labial costuma durar menos de 7 dias com a possibilidade de episódios recorrentes (vai e volta espontaneamente). Enquanto houver bolhas, existe mais propensão ao contágio. Já na fase em que as lesões passam a se assemelhar a crostas, a chance de transmissão reduz significativamente.

Existe tratamento?
O herpes não tem cura! O tratamento consiste em reduzir os sintomas, acelerar a cicatrização e prevenir as complicações.

Não existe vacina contra o herpes, portanto, a prevenção deve ser baseada nas situações que costumam desencadear as crises.

O ideal é iniciar o tratamento no momento em que ainda não ocorreram lesões visíveis, mas já se percebem os sinais das recidivas, tais como dormência, formigamento ou queimação dos lábios.

É importante que o tratamento com antivirais em comprimidos seja iniciado nas primeiras 72 horas, pois dessa forma há uma redução significativa do tempo de doença e da intensidade dos sintomas.

Indivíduos com crises raras e pouco sintomáticas podem não precisar de tratamento algum, no máximo alguma pomada com anestésico para reduzir a dor.

Dá para prevenir?
A causa mais comum para a reativação do herpes labial costuma ser a exposição solar intensa, sendo o uso diário de protetor solar labial a melhor recomendação para a prevenção.

Lembre-se: é imprescindível consultar seu médico ou dentista de confiança, antes do uso de qualquer medicamento.

Você sabia que…
Estomatologia
É a especialidade que através de sinais e sintomas dos pacientes, diagnostica e trata lesões benignas ou malignas da cavidade bucal.

Responsáveis Técnicos:
Dra. Cristiane Hiromi Tamaki – CRO 60531
Dra. Renata Peixinho – CRO 97388
Dra. Úrsula Victória  CRO 83316

 

Aproveite e conheça o plano odontológico da Seguros Unimed: Banner Blog Rodape Vamos falar sobre herpes labial

RELACIONADOS