Os malefícios que a chupeta traz à criança

Atualmente, alguns pais recorrem ao uso da chupeta para o bebê parar de chorar. A chupeta faz com que ele satisfaça a necessidade de sucção, por isso, seu uso o acalma. Porém, se não for removida no tempo certo, pode causar alguns malefícios à criança e os efeitos colaterais aumentam em quantidade e gravidade ao longo do desenvolvimento. O uso prolongado da chupeta pode alterar a posição dos dentes, causar deformidades nos ossos e na musculatura da face, prejudicar a respiração e ainda reduzir a produção do leite materno. Cabe ao profissional oferecer informações aos pais.

Quais as consequências do uso da chupeta?

- Articulação da face: o costume de chupar chupeta acaba causando deformações no desenvolvimento das estruturas da boca e do rosto. Os ossos da face crescem de forma desarmônica, prejudicando as funções de deglutição, mastigação, fala e respiração.
- Respiração bucal: o costume de se chupar chupeta favorece a respiração errada, pela boca. Essa respiração oral produz uma alteração de postura, um sono agitado e, às vezes, com ronco. Desta forma, também deixa a criança cansada e desatenta, contribuindo para o nascimento de algumas dificuldades. A respiração bucal também causa alterações físicas, problemas nutricionais e de crescimento.
- Diminuição de leite materno: a sucção feita em um bico artificial leva à perda da tonicidade e a alteração dos músculos da face, especialmente dos lábios e da língua, o que acaba confundindo a criança, levando-a a não ser mais capaz de mamar o peito da mãe de maneira correta. Há evidências de que o uso de chupeta diminui a produção de leite da mãe, uma vez que o bebê procura menos pelo peito. Esse fato pode, até mesmo, interferir no ganho de peso da criança.

Como proceder?

A indicação é não deixar a criança dependente do acessório por muito tempo, cogitando sua retirada até, no máximo, os 3 anos de idade. Recomenda-se que a criança não utilize a chupeta o dia todo. Na hora de eliminar o uso, é preciso tornar esse momento natural para a criança, explicar que está crescendo e não precisa mais usar chupeta. Às vezes, é necessário tirá-la aos poucos, reduzindo o tempo e os intervalos nos quais a criança fica com a chupeta. A retirada repentina ou abrupta da chupeta pode levar à substituição por hábitos de sucção do dedo, do lábio ou da língua, de roer unhas, entre outros. No decorrer da vida, os hábitos podem ser substituídos por comer demais, fumar ou outros transtornos compulsivos e seus efeitos são observados desde cedo.

A decisão de introduzir ou não chupeta é da família, mas cabe aos profissionais oferecerem orientações aos pais para que tomem a melhor decisão. É recomendado questionar o dentista sobre qual a melhor marca e modelo. As chupetas ortodônticas existem no mercado e causam menos danos à estrutura facial, em relação aos tipos comuns.

Responsáveis Técnicas:
Dra. Eliane Midori Tanaka – CROSP 56731
Dra. Renata Peixinho – CROSP 97388

RELACIONADOS